SEGURANÇA DO TRABALHO

Vitrine

Vitrine                                                                   Produtos - Oferta - Encarte - Promoção

Selecione a Categoria

Vitrine
Promoção
Vitrine
Encarte
Vitrine

Resultado

Empresa é condenada a indenizar

Empresa é condenada a indenizar trabalhador por não afastar riscos de doença

Ainda que o trabalhador tenha predisposição a desenvolver uma doença, o empregador é responsável por adotar medidas de segurança e prevenção para afastar os riscos. Por essa razão, a 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (Paraná) manteve sentença que condenou uma empresa a indenizar um operador de máquinas florestais que desenvolveu artrose na coluna em razão do trabalho em condições ergonômicas inadequadas. Além dos danos morais, ele receberá, pelos danos materiais, uma pensão mensal até janeiro de 2032, quando completa 73 anos e 6 meses.

De acordo com ação, o trabalhador começou a sentir dores nas costas em 1992, quando passou a operar os equipamentos florestais da empresa, onda trabalhava havia 13 anos. Na operação do trator em derrubada de árvores e carregamento de adubo, o empregado precisava constantemente trabalhar com o corpo retorcido, olhando para trás.

Segundo o processo, essa postura forçada, prolongada e repetida do tronco, combinada com a vibração do trator e com a obrigatoriedade de carregar diariamente mais de 70 sacos de adubo, pesando cerca de 50 quilos cada, resultou no desgaste precoce dos discos da coluna vertebral.

O trabalhador foi diagnosticado com hérnia discal e artrose que exigiram intervenção cirúrgica e tratamento contínuo com medicamentos e fisioterapia. Em 2005, foi afastado do trabalho para tratamento da doença e, em 2007, foi aposentado por invalidez.

Em 2011, o empregado moveu ação pedindo danos morais e materiais. A empresa negou o vínculo entre a doença e as tarefas desenvolvidas durante o contrato de trabalho. Alegou que as patologias são degenerativas, fato confirmado, em parte, pelos exames apresentados — o perito relatou hérnia discal do tipo multifatorial, significando provável predisposição do empregado para a doença.

Primeiro grau
Para a juíza Ângela Neto Roda, da Vara do Trabalho de Jaguariaíva, a prova pericial confirmou que as condições ergonômicas representavam risco para a coluna vertebral. E a empresa não conseguiu provar que tomou medidas para diminuir os riscos de danos à saúde do trabalhador.

Segundo a juíza, ainda que o empregado tivesse a predisposição para a doença, foram as condições de trabalho que agravaram o estado de saúde. Levando em conta a ligação entre as atividades e a doença, e a redução total e definitiva da capacidade de trabalho do reclamante, a juíza fixou a indenização por danos morais em R$19,9 mil.

Os danos materiais serão pagos em forma de pensão mensal, no valor do salário recebido à época do contrato. Ele receberá até a data em que completar 73 anos e 6 meses de vida, em 13 de janeiro de 2032, conforme expectativa de vida média do cidadão brasileiro, segundo o IBGE.

Recurso
A empresa recorreu da decisão, mas a 2ª Turma do TRT-9 confirmou a sentença. O relator do acórdão, desembargador Cássio Colombo Filho, ressaltou que as condições ergonômicas certamente favoreceram o agravamento da doença, “não sendo possível afastar o trabalho como concausa, ainda que se trate de doença degenerativa, de caráter multifatorial”.

Para o relator, em matéria de saúde e segurança do trabalho, a conduta que se exige do empregador não é apenas orientar e alertar, mas “adotar todas as providências possíveis para tornar o ambiente de trabalho seguro e saudável, com a adoção de medidas preventivas efetivas para afastar os riscos inerentes, o que não aconteceu”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-9.

178-2011-666-09-00-3

Fonte: http://www.conjur.com.br/2014-jul-27/empresa-condenada-nao-prevenir-doenca-trabalhador


 

Data: 08/10/2014 | Autor: Márcio RAZ | Categoria: vitrine | Visitas: 623

S.I.S.